Deus como experiência apaixonante

Chega-se a Deus não por um modo exterior – por prova, argumentação e conclusão – mas por um modo interior, pela experiência e pela verificação dessa experiência.

Um homem não se apaixona por uma mulher por reflexão, argumentação e conclusão. Salvo nos casamentos de conveniência! Alguém se torna apaixonado pelo encontro e pela experiência, por uma exultação interior. Depois, do interior dessa experiência, é que se apela à razão para verificar, autenticar e por em ordem esse amor…

Assim acontece com Deus. Ele não é um objeto de conhecimento entre tantos outros, ao qual acabamos nos reunir ou nos afastar, ao longo de um caminho racional. Deus não é a América de Cristóvão Colombo!…Deus só pode ser conhecido quando reconhecido: o homem torna-se crente ao acolher; verificar e organizar sua experiência.

François Varone

Sobre Eduardo Medeiros

O sentimento religioso não se confunde com a teologia. Deus é uma necessidade mas somente podemos concebê-lo através de imagens da linguagem. As imagens não são Deus, mas precisamos das imagens para perguntar sobre Deus.
Esse post foi publicado em Devocional. Bookmark o link permanente.

5 respostas para Deus como experiência apaixonante

  1. guiomar disse:

    Edu, uma excelente reflexão.

    Acredito que a causa da apostasia, não se deve só aos escândalos, mas a uma falta de conhecimento racional. Muitos abraçam a fé sem senso crítico, sem procurar ter suas próprias experiências sem intervenções de outros. Acreditam com muita facilidade em misticismos desequilibrados. E quando chegam as decepções, por não terem bagagem suficiente, sucumbem.

    Gostei do novo endereço. Beijo.

  2. Donizete Aparecido Vieira disse:

    Isso quer dizer que nossa relação com Deus dá se tanto em termos objetivos como subjetivos. O fato de termos condições de organizarmos racionalmente nosso entendimento sobre Ele, não o torna passível de ser dissecado. Ou seja, o mesmo Deus que se coloca acima das possibilidades humanas de compreensão integral, se oferece de forma graciosa para acompanhar os nossos passos. E é justamente nessa dimensão que Ele se faz conhecido por nós, e isso basta. Particularmente não me aflijo com esta dicotomia.

    O Mestre da Galileia disse certa vez que quando fosse levantado da terra, a todos os atrairia a Ele. Só que esta atração é resistível, não é coerciva. E é justamente aí que reside a indizível alegria humana e consciente, de estar ao lado de alguém que tem na liberdade, sua base relacional.

    Beleza de texto. Abraços.

  3. Mariani Lima disse:

    Meu amiguinho, vc foi banido do Blogger! Q pena, viu? Estou ansiosa por ouvir sua voz Mais do que profética, herética!! Desculpe insistir na brincadeira, mas eu chorei de rir quando li esse seu comentário no face.

    Um abração e volta para o Blogger!!!!!

  4. Franklin Rosa disse:

    Show de bola Nobre Herege! Uma bela chifrada nesse Blogger frígido! rsrsrs

    Deus está muito além da dissecação racional, acima de todas argumentações lógicas a Graça é a expressão maior do seu caráter e o que melhor O define em última análise!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s