Roda do Ocaso

 

 

Diz o poeta que a vida é um sopro.

Veloz, vai-se escapando pelos dedos

buscando enfim o seu destino final.

A morte é um sono do qual você não acorda,

outro poeta já disse.

Então a morte deve ser boa.

Quem dispensa um tranquilo sono?

Mas um sono eterno? 

Sem sol a nascer?

Sem vozes a ouvir,

sorrisos sem ver,

sem da vida,o esplendor?

Um sono assim, ausências tantas…

Mas quem saberá das ausências?

Apenas dorme-se. E pronto.

O afã da vida nos levou à metafísica.

Não será  o nirvana,  ausência de todo desejo?

Não será o karma,  ponte para novo despertar?

Não será  o paraíso, a ressurreição?

Ingrata vida que nos forma,

nos molda, nos faz sentir,

olhar,

desejar,

amar,

odiar

E nos toma tudo,

e nos faz dormir sem sonhar.

Eduardo Medeiros, Rio de Janeiro, 13/03/2012



***************************************************

É engraçado que depois do nascimento do meu filho eu tenha me pegado a pensar na vida e na morte como nunca antes. Fico pensando que vê-lo crescer(o que todos nós, pais, queremos ) é também ver-me envelhecer. A alegria de vê-lo expandir-se em músculos, estatura, feições e falas, é também ver-me na roda do ocaso. 

De tão absurda, a morte foi feita nossa amiga pelas crenças do pós vida. Então, morrer, não seria o fim, mas o início ou o reinício de uma nova vida. Confesso que tenho sérios problemas com as metafísicas; sou levado, puxado, obrigado a ver a morte como uma coisa tão natural da existência como a vida. Afinal de contas, sem morte, como valorizar a vida?

Mas quem disse que isso basta? Sei que meus átomos não morrerão depois da minha morte; eles se fundirão ao ambiente e voltarão de onde saíram. E minha consciência? E os átomos que em mim, são pensantes e conscientes, o que se fará deles?

Desejo profundamente que continuem conscientes em algum lugar do universo.

Publicado também no meu blog http://www.selecoesdoedu.blogspot.com 

Sobre Eduardo Medeiros

O sentimento religioso não se confunde com a teologia. Deus é uma necessidade mas somente podemos concebê-lo através de imagens da linguagem. As imagens não são Deus, mas precisamos das imagens para perguntar sobre Deus.
Esse post foi publicado em Devocional, Poesias. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Roda do Ocaso

  1. Franklin Rosa disse:

    ESSE MULEKINHO É FERA!!! SÓ ELE TEM O PODER DE DESARTICULAR SEUS ARGUMENTOS NOBRE HEREGE!!! rsrsrs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s